Não é novidade que existem diversos fatores que influenciam o cliente a consumir ou não o seu produto. Mas, antes dessa decisão, é preciso atrair o consumidor até você e, é aí que entra a importância de um bom projeto luminotécnico. Porque além da atração, o projeto de iluminação deve proporcionar uma experiência agradável aos consumidores. Se você ainda não sabe como um simples posicionamento e escolha de luzes pode ajudar a alavancar o seu negócio, fique atento a esta leitura e descubra como luz e arquitetura são de extrema importância para você e seus clientes, e saiba o porquê de se levar em consideração esse tema na hora do desenvolvimento do seu projeto arquitetônico.

O que é um Projeto Luminotécnico?

Um projeto luminotécnico, ou simplesmente projeto de iluminação, deve ser elaborado junto – ou, pelo menos, muito bem alinhado – ao projeto arquitetônico. Ele nada mais é do que a combinação entre luzes artificiais e arquitetura. Para a concepção de um projeto de iluminação, deve-se partir da análise da funcionalidade e estética dos ambientes, levantando-se dados sobre a quantidade de luz para cada espaço e o nível em que a iluminação deve ser implementada para que haja um conforto visual para quem transita pelos ambientes. Além de sua atuação no campo estético e funcional, o projeto luminotécnico pode auxiliar na economia de energia, propondo o uso correto das lâmpadas e indicando as mais eficientes para cada ambiente.

Qual a importância da iluminação de ambientes para os negócios

Os projetos de iluminação estão ligados, diretamente, à visibilidade, tanto na questão sensorial como na percepção de marca. Uma loja, um espaço, com um bom projeto luminotécnico irá despertar e estimular algumas sensações como prazer e conforto em estar naquele ambiente. A iluminação é essencial para criar a ambientação condizente à marca, produto ou serviço. Seja um ambiente mais descontraído com luzes diversas e fortes ou intimista, com luzes mais fracas e cores mais sóbrias. Exemplo clássico de projetos luminotécnicos são as vitrines e os seus produtos, capazes de se destacarem em diversas situações de luz externa. Há, ainda, lojas que utilizam suas luzes como identidade dos setores e organização de elementos. A iluminação, em síntese, pode trabalhar em quatro aspectos:
  1. na criação do clímax do ambiente, aquelas sensações que temos de imediato ao adentrarmos a um recinto;
  2. hierarquização das informações: o projeto de iluminação pode guiar as pessoas pelos ambientes e levá-los até um ponto estratégico ou a um determinado produto/serviço;
  3. alteração da sensação espacial: ao apontar as luzes para o teto ou chão, a sensação com relação ao tamanho do ambiente varia;
  4. alterar características dos materiais, como por exemplo neutralizar uma superfície.
A valorização dos produtos é uma das importâncias mais lembradas quando nos referimos aos projetos de iluminação. A disposição de produtos, com luzes dedicadas é um exemplo clássico de como usar a luz para atrair atenção. Mas, a iluminação também exige cuidados para não causar o efeito contrário. Excessos nunca são bem vistos, literalmente. O uso em demasia pode ofuscar o produto e a sua marca. E não estamos falando no sentido figurado, uma iluminação forte, ou até mesmo mal posicionada, pode causar desconforto nos clientes. Um outro fator que pode atrapalhar a experiência do cliente são os reflexos, por isso falamos na importância de alinhar iluminação ao projeto arquitetônico, para que o posicionamento de lâmpadas, luminárias, espelhos e vidros não causem reflexos inconvenientes para quem observa ou transita entre os espaços. Se você ainda acredita que a iluminação é importante apenas no quesito visibilidade e exposição, vamos abordar, agora, como ela influencia os consumidores!

A influência do projeto luminotécnico no comportamento do consumidor

Há quem pense que a preocupação com luzes é apenas questão de decoração e se limita apenas ao ambiente doméstico. Essas pessoas, além de equivocadas, ignoram completamente a necessidade de um bom projeto de iluminação em todos os nichos de mercado. A concepção de um ambiente propício a receber a sua clientela deve ser a sua primeira preocupação. A ambientação deve despertar uma sensação prazerosa em estar ali, instigar o cliente a consumir, apaziguar os ânimos ou entretê-lo, independente do modelo de negócio. Veja alguns exemplos de como colocar o projeto de luz a favor do seu planejamento:
  • luzes altas e intensas: ideais para ambientes que necessitem de uma circulação mais constante e fluida de pessoas. Ideais para comércios e negócios com enorme fluxo de clientes.
  • luzes suaves: recomendadas para aqueles ambientes mais convidativos, que irá fazer com que o cliente permaneça por mais tempo, sentindo-se acolhido. Perfeito para negócios que exigem alguns minutos de reflexão antes da compra.
  • luzes claras: são as mais estimulantes e transmitem a sensação de dinamismo no ambiente.
  • luzes amarelas: são como as luzes suaves e transmitem a sensação de aconchego e repouso.
Um cuidado que se deve ter ao implementar alguma das sugestões é lembrar-se que o projeto de iluminação deve condizer com a imagem que você deseja transmitir, porém, sem cair no marasmo e causar uma sensação de monotonia. Sempre que possível, diversifique a iluminação, para que haja sempre algo novo nos ambientes. Como podemos ver, o projeto luminotécnico é muito mais do que a instalação de lâmpadas e o acender das luzes. Como a iluminação é, inconscientemente, um dos fatores de decisão de compra, é de suma importância que os projetos de iluminação também transmitam a mensagem de sua empresa. Uma dica final: um bom projeto luminotécnico pode representar um investimento alto, porém é vital para o sucesso do negócio. Então, procure por ajuda de profissionais e acompanhe o nosso blog para estar por dentro das novidades do mundo da arquitetura!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *