A tecnologia está presente na elaboração de projetos de arquitetura há anos. Diferentes soluções foram criadas para facilitar o desenho dos espaços projetados, enquanto outras ainda favorecem a redução do desperdício financeiro em obras. É o caso do BIM.

 

O desperdício na construção civil pode acontecer de diferentes formas, dentre elas, o financeiro. A busca por mais eficiência é importante para respeitar o orçamento da obra e, inclusive, conquistar um resultado final melhor. 

 

O uso de softwares de arquitetura tem como objetivo a otimização de etapas do trabalho como o desenho. A metodologia BIM, porém, vai além disso. 

 

Com este post, você vai entender como a adoção do Building Information Modeling ajuda a reduzir o desperdício financeiro na construção civil. Acompanhe!

O desperdício na construção

Quem faz uma obra sabe que, em muitos casos, o resultado final tem um valor maior do que o orçamento inicial apresentado. É certo que parte do aumento dos gastos está relacionada a demandas que são criadas durante o processo, as quais não estavam previstas, mas a falta de eficiência também pode ser um problema. 

 

O dinheiro “extra” investido na obra poderia ser poupado ou até usado de forma mais estratégica para melhorá-la. A saber, estudos desenvolvidos na Escola Politécnica da USP indicaram que as perdas financeiras na construção civil chegam a 30%

 

As perdas materiais resultam na geração de resíduos acima do necessário, algo que normalmente é visto como uma consequência inevitável da obra. A questão é que o desperdício financeiro vai além, uma vez que pode ter relação com o atraso na entrega de materiais e com outros fatores que prolonguem o tempo de construção. 

 

Por vezes, o problema está relacionado à ideia de “executar muito e planejar pouco”. Em outras palavras, o planejamento precário é uma das principais causas da ineficiência de projetos arquitetônicos. E, aqui, é importante incluir a comunicação falha como um dos fatores agravantes. 

 

É importante destacar ainda que o desperdício em projetos de arquitetura e na construção civil acontece em obras de todos os portes. Um estudo da IESP, porém, destaca que o problema tende a ser mais grave em obras pequenas, nas quais o planejamento de cada etapa tende a não ser feito da forma devida. 

Principais causas do desperdício financeiro

O desperdício financeiro em projetos e obras pode estar relacionado a diferentes questões. Abaixo, relacionamos aquelas que podem ser consideradas as principais:

 

  • Compra ineficiente de materiais ― materiais de construção podem ter variações de valor significativas ao longo do tempo. Fazer cotações e acompanhar o mercado é crucial para encontrar o menor custo-benefício e evitar acréscimos que estourem o orçamento.

    Soma-se a isso o fato de que, em um planejamento mal feito, a quantidade de material calculada inicialmente pode ser diferente da necessidade real da obra.

    Como consequência, perde-se a oportunidade de realizar uma única compra com desconto em razão do volume. Entram na conta ainda eventuais valores de um frete adicional para a entrega dos materiais.

 

Além disso, também existe o famoso “barato que sai caro”. Fornecedores que apresentam preços muito abaixo do mercado, em geral, têm produtos com qualidade comprometida. Comprar insumos de baixa qualidade resultam em retrabalho e em geração de resíduos.

 

  • Falta de atenção ao cronograma e à evolução da obra ― acompanhar o cronograma e o andamento da obra é importante para garantir, com a devida antecedência, que os materiais necessários estejam à disposição no momento certo. Isso tem a ver com a eficiência nas compras.

    É preciso considerar também o fato de que alterações no projeto levam a novos cálculos de quantidade de material, assim como do tempo de execução e seus custos. Por isso, uma boa gestão ajuda a minimizar impactos e a otimizar o uso dos recursos financeiros

 

Como haveria de ser, existem outros desperdícios na construção civil que afetam as finanças. São eles: o desperdício de materiais, a perda de mão de obra qualificada e a perda de equipamentos.

 

O primeiro desses problemas é simples de entender e, em geral, resulta da falta de qualidade em processos. Dois exemplos são a falha na checagem das condições dos materiais que chegam à obra e o uso excessivo e desnecessário de materiais, como a massa fina aplicada para reboco. 

 

Os outros dois, perda de mão de obra e de equipamentos, estão associados à ociosidade. A contratação de trabalhadores, bem como o aluguel de maquinário têm custos diários. Por isso, um planejamento ruim e falta de insumos para a obra podem quebrar o ritmo de trabalho e levar a desperdícios.

Como combater o desperdício financeiro

Um estudo de Análise de custos dos desperdícios na construção civil da UFSM aponta algo trivial: o desperdício está, na maioria das vezes, associado a prejuízos que vão além da questão financeira. 

 

Esses prejuízos estão “relacionados não só com os gastos totais, mas também com a qualidade do produto final e possivelmente, como consequência, comprometendo a relação com os clientes”. Uma reflexão que indica ser imperativo combater o problema. 

 

Com isso em mente, podemos dizer que o foco da solução de combate ao desperdício financeiro são o planejamento e a gestão do projeto de arquitetura. Para tanto, é possível apostar em ferramentas como planilhas de custo e de controle de estoque, além de apostar no monitoramento constante da evolução da obra. 

 

Contar com a tecnologia de gestão, como softwares de arquitetura e soluções afins também é importante. E é essa ideia que nos leva até o Building Information Modeling

O que é esse Building Information Modeling (BIM)?

Caso você ainda não saiba, BIM é a sigla para Building Information Modeling ou Modelagem da Informação da Construção. Segundo o portal BIM na prática, esse modelo pode ser entendido de duas formas: 

 

  • “um processo que permite a gestão da informação, por todo o ciclo da edificação; ou
  • o conjunto de modelos compartilhados, digitais, tridimensionais e semanticamente ricos, que formam a espinha dorsal do processo do Building Information Modeling“.

 

Sendo assim, o BIM não é só um software de arquitetura. É também a junção de métodos e processos que simplificam a comunicação e favorecem a colaboração no desenvolvimento de projetos. Com tudo isso, o modelo é uma solução ideal para o trabalho em equipe. 

 

O modelo de informação proposto pelo BIM reúne tudo aquilo o que se precisa saber, ou seja, fornece um panorama digital completo do desenho de uma obra. A ideia é ter, no computador, uma versão digital da construção real. Por isso, é fácil acompanhar a evolução do trabalho. 

 

O Building Information Modeling se baseia em um modelo 3D, mas vai além da parte visual do projeto arquitetônico. As partes hidráulica, elétrica e estrutural também estão presentes. Além disso, este modelo permite ainda que dados sobre componentes, materiais, tempo e custos também sejam incluídos e facilmente acessados. 

 

Portanto, o BIM é um novo conceito para os projetos arquitetônicos e para a construção civil. Seu objetivo é otimizar o desenvolvimento do projeto, sua execução e a gestão de cada etapa, inclusive no âmbito financeiro. 

Building Information Modeling: mais do que uma tendência da arquitetura

A origem do BIM não é recente. Ainda na década de 70, os profissionais já sentiam a necessidade de agregar informações aos softwares de arquitetura para desenhos. 

 

Foi por isso que, em 1974, Chuck Eastman e sua equipe criaram o conceito de Building Description System ou Sistema de Descrição da Construção, BDS. A ideia era mostrar como a adição da descrição da obra poderia melhorar o projeto e até eliminar suas falhas. 

 

O BIM recebeu o nome que tem hoje em 1992, em um artigo publicado pelos professores G.A van Nederveen e F. Tolman. Seu conceito, porém, como visto, é mais antigo. 

 

Inicialmente, o Building Information Modeling era usado apenas por arquitetos, no desenvolvimento de seus projetos. Com o tempo, o modelo deixou de ser uma mera tendência da arquitetura e provou-se útil a outros profissionais envolvidos em uma obra. 

 

Para além dos responsáveis pelo projeto, o BIM engloba os profissionais que planejam e os que executam a obra e os que fazem sua gestão. Até aqueles que investem podem ser inseridos e ter acesso ao sistema. 

 

Tudo isso porque, gradativamente, ficou claro que esse modelo de informação que é a proposta do BIM agrega benefícios importantes. O Building Information Modeling faz mais do que simplificar a rotina de quem desenha um projeto de arquitetura para otimizar essa etapa do processo. 

 

Como uma espécie de banco de dados, o BIM permite que tudo o que se precisa saber sobre uma obra, do seu planejamento à execução, seja reunido em um só lugar. E isso torna mais fácil visualizar a realidade do projeto como um todo para gerenciá-lo de forma mais eficiente. 

 

Sendo assim, a solução tem grande sucesso ao ajudar a evitar falhas no processo de criação e construção. E ainda, tem capacidade de influenciar a redução dos custos e a otimização dos recursos da obra. 

Como o Building Information Modeling evita desperdícios financeiros

O uso do Building Information Modeling permite que um projeto seja facilmente visualizado e compreendido pelos profissionais que dele participam. Além disso, facilita a comunicação entre eles para alinhamento dos processos, correção de erros e cumprimento de prazos. 

 

Todos esses fatores contribuem para a otimização do uso de recursos e para o aumento da previsibilidade na construção. Algo que favorece o processo de tomada de decisão em favor da qualidade da obra e de seu custo total. 

 

Para entender melhor, confira abaixo como o BIM confere mais eficiência em projetos arquitetônicos e minimiza os desperdícios financeiros na construção civil:

Ajuda a detectar e a evitar falhas

O desenho de um novo ambiente ou edificação começa com o estudo arquitetônico. É nas etapas seguintes, em especial no projeto executivo, que os projetos complementares de estrutura, eletricidade, hidráulica e outros são englobados ao projeto principal. 

 

Nessas etapas, é comum que incompatibilidades sejam identificadas, como a dificuldade de adequar perfeitamente o encanamento ou o cabeamento ao desenho. As alterações demandam a realização de novos cálculos, inclusive para testar a viabilidade das novas ideias. Assim, é possível decidir facilmente por aquela que tenha o melhor custo-benefício segundo as diretrizes do projeto.

 

O BIM permite que os arquitetos façam essas alterações e, em seguida, automaticamente refaz os cálculos. Como é de se imaginar, cálculos feitos por um software especialmente desenvolvido para tal são livres de erros, o que evita desperdício de tempo e de dinheiro. 

 

É importante dizer ainda que falhas no desenvolvimento do projeto podem ser sinônimos de prejuízo. Quando a obra já está em andamento, ter de pará-la para refazer desenho e cálculo é algo trabalhoso e que demanda tempo. 

 

Atrasos custam dinheiro e, por isso, quando o BIM sinaliza falhas com agilidade, ainda no desenho do projeto, permite que correções sejam feitas o quanto antes. Como haveria de ser, essa rapidez minimiza os impactos do problema e reduz a perda financeira.

Torna mais simples o acompanhamento da evolução da obra

Ainda, se um projeto passa por mudanças, a quantidade de materiais a ser utilizada na obra também sofre alterações. A atenção a isso faz parte do bom planejamento que, como vimos anteriormente, é um fator determinante contra o desperdício financeiro. 

 

O Building Information Modeling também simplifica a identificação dos materiais necessários ao novo modelo da obra e de suas quantidades. A precisão dessa funcionalidade favorece a otimização de recursos porque permite a compra eficiente de materiais, sem abrir margem para excessos desnecessários. 

Favorece a estimativa correta de custos

E, por falar em compra eficiente, a integração de informações de toda a obra no BIM contribui para que gastos desnecessários não aconteçam. A cada momento que o projeto é atualizado, novas informações sobre a estimativa de custos da obra são fornecidas. 

 

Assim, arquitetos e outros agentes envolvidos na obra conseguem avaliar melhor a situação da obra em relação à disponibilidade de verba. Decisões relacionadas à alteração do tipo de material ou à necessidade de buscar negócios mais econômicos podem ser feitas a tempo, de forma a evitar que o orçamento estoure. 

Favorece o cumprimento de prazos

Quando mencionamos os outros tipos de desperdício na construção civil que também implicam em perdas financeiras, falamos de mão de obra e de equipamentos. 

 

Novamente, o planejamento e a gestão da obra são fundamentais para criar tempo ocioso por falta de materiais ou paralisação para a atualização do projeto. É a natureza interdisciplinar do Building Information Modeling que contribui para evitar essas situações. 

 

Todos os profissionais envolvidos na obra conseguem inserir informações complementares sobre suas áreas, mantendo o projeto sempre atualizado. O fácil acesso ao sistema garante que todos possam atuar para evitar erros ou corrigi-los em tempo, de forma a não prejudicar o andamento da obra. 

 

Como se sabe, entregar uma obra no tempo exato que foi planejado é algo raro. Assim, o BIM ajuda que os profissionais consigam fazer com que alterações no prazo sejam minimizadas. Uma situação que tende a favorecer a satisfação dos clientes e investidores do projeto. 

Contribui para uma obra sustentável

Como bônus e forma de concluir a relação de benefícios do BIM para minimizar o desperdício financeiro na obra, é interessante falar de sustentabilidade. 

 

Falar sobre sustentabilidade implica em usar com sabedoria os recursos do planeta para que nada falte às próximas gerações, mas a questão ambiental não é o único ponto. Existe também o de garantir a viabilidade de um projeto, de modo que este também seja financeiramente sustentável.  

 

O Building Information Modeling contribui para as duas questões. Ao evitar o desperdício de material, diminui a demanda pela produção e, consequentemente, reduz o impacto da construção civil no meio ambiente. Isso, claro, além da redução de custos abordada neste post. 

Gostou de saber mais sobre o BIM e a redução do desperdício financeiro? Compartilhe o texto nas redes sociais! 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *